Vou Casar Mas Estou Triste

“O sonho de toda mulher é casar!” Ops… vejo uma generalização nesta frase, e toda generalização corre o risco de ser falsa. Principalmente quando falamos de pessoas, de sentimentos, de desejos, de sonhos.

Assim, começa um dos primeiros dilemas que culminam em outros. Espera-se que toda mulher sonha em casar; e acredita-se que toda mulher que vai casar tem que estar feliz. Mas isso não é verdade e por isso muitas noivas têm sofrido com um incômodo: vou casar, mas estou infeliz!

Todo mundo está feliz, menos Eu!

Noiva triste

Resolva todas suas inseguranças antes do dia do casamento

A internet está recheada de blogs sobre casamento, cheio de lindas histórias e festas impecáveis. Tudo como um sonho, onde nada dá errado, tudo é perfeito, lindo e alegre. Vestido de noiva, bolo de casamento, decoração, dia ensolarado, noite enluarada! As fotos dos álbuns e os vídeos postados não deixam dúvida: casar é maravilhoso!

O grande problema é quando os noivos se deparam com outra realidade na organização dos preparativos do “grande dia”. Descobrem que para ter um casamento como o que viram ou idealizaram terão que passar por partes chatas que não estão exibidas nos blogs fofos sobre casamento.

Há várias razões para a tristeza antes do casamento e a maioria delas é muito normal. Como dúvidas sobre se estão certas da decisão, brigas com o companheiro, dificuldades financeiras e o medo da responsabilidade da vida de casada.

A grande questão é que as noivas sofrem caladas e pensam que só com elas que acontecem essas coisas pois ninguém divulga coisas ruins, problemas e tristezas. É a onda da exibição da internet. Todo mundo posta no Facebook e Instagram apenas fotos de momentos bonitos e alegres, mesmo que seja tudo forjado. Dando a falsa impressão de que todo mundo é feliz, menos você, gerando uma angústia imensa.

O que está gerando esta tristeza nestes meses que antecedem o seu casamento?

Vou Casar mas Amo Outro

Se a causa do seu sofrimento e tristeza às vésperas do seu casamento é porque você vai casar mas ama outra pessoa, é bom você pensar bem sobre a decisão. Para casar com uma pessoa é indispensável que você esteja totalmente liberta de outras pessoas. Levar para o casamento o fantasma do ex namorado, ou a expectativa de uma paixão que você recém conheceu não parece uma decisão muito sábia.

Uma boa decisão é acertar as contas com o passado e ir para o casamento totalmente aberta e entregue ao seu novo relacionamento. Se você tem certeza de que está casando com um, pensando em outro, talvez seja a hora mesmo de parar os preparativos e repensar sua decisão.

Vou Casar mas não Tenho Certeza que Amo

Já o fato de estar confusa quanto à decisão do casamento pela incerteza do amor que sente pelo seu noivo é mais comum e fácil de resolver. O amor é um sentimento de difícil compreensão, que tem uma evolução, ele nasce, cresce e amadurece; infelizmente, em alguns casos ele morre também. Importante é saber distinguir o amor da paixão. Muitas pessoas que já viveram paixões avassaladoras, estranham o fato de viverem um romance calmo, sem aquele frenesi de outrora. Isso não significa que não existe amor. Significa que existe calmaria, que muitas vezes é a melhor coisa que você pode querer.

A Indústria do Casamento

O motivo da angústia de muitas noivas nem sempre está diretamente relacionado ao casamento em si. Ao fato de unir-se a alguém, da responsabilidade que isso implica. Mas, voltado ao evento do casamento. Preocupações com festa ou com o fato de não poder ou não querer dar uma festa. É comum as pessoas falarem vou casar mas não quero festa.

São muitos detalhes que a indústria do casamento criou para que você de fato possa ter uma festa perfeita! Cada dia, um novo item se torna indispensável para que o evento aconteça.

O casamento era para ser algo bem simples. Uma celebração do amor de duas pessoas, ou no mínimo, o registro civil de que estas pessoas optaram por juntar-se para formar uma família e ter uma comunhão de vida. Não vou entrar no mérito das causas e efeitos civis ou religiosos e até mesmo culturais que fazem as pessoas tomarem esta decisão.

A questão é que no mundo capitalista em que vivemos tudo se vende! Criam em nós necessidades que não sabíamos que tínhamos e nos vendem seus produtos que eram desconhecidos, mas que de repente se tornaram indispensáveis. Em todos os setores isso acontece, não seria diferente com o casamento.

Antes precisávamos apenas de casar, e no máximo ter uma festa comemorativa. Hoje, antes de qualquer coisa é preciso definir o tema da festa, como se a festa de casamento do casal Fulano e Fulana já não fosse um tema! É preciso decidir se será um casamento rústico, provençal, campestre, clássico, e há ainda os que querem inovar ainda mais com festas de gosto duvidoso como inspiradas em contos de fadas, super-heróis, desenhos animados, jogos de videogame e uma infinidade de outras possibilidades, pois a imaginação e a criatividade das pessoas não tem limite.
Assim, querer ter tudo o que há disponível no mercado é impossível, a não ser que dinheiro não fosse problema e se fizesse uma festa a cada seis meses para poder ter tudo o que se vê.

Mas mesmo assim, o mercado do casamento consegue criar modas e artigos que antes não eram essenciais e as noivas ficam doidas querendo dar conta de providenciar e pagar tudo o que é preciso para uma “grande festa de casamento”.

Individualidade

Cada noiva e cada noivo é um indivíduo, assim, como cada casal é único. E portanto, querer se adequar ao que os outros têm feito é com certeza motivo de sofrimento. Usar vestido branco porque todo mundo usa, casar na igreja porque todo mundo casa, fazer festa, viajar em lua de mel. São muitas regras.

O importante é o casal parar para pensar o que de fato eles querem, o que de fato, eles podem fazer, o que de fato combina com o estilo deles e suas posses.

Esqueçam os modismos, esqueçam o must have, esqueçam os conselhos das amigas, do cerimonial, parem e definam o que vocês querem.

Se é que querem isso. Se optarem por morar juntos por um tempo antes de casar, para fazer uma experiência, ok! Se optarem de ir apenas ao cartório, ok! Se optarem por continuarem apenas namorando e deixar a oficialização para outra época, ok!

Cobranças, Expectativas e Frustrações

Muitas noivas sofrem com suas expectativas, e ainda mais com a expectativa dos outros. As famílias e os amigos, como a sociedade num geral está sempre cobrando algo de nós. Se estamos solteiros, querem saber quando vamos arrumar um namorado, se estamos namorado a cobrança é pela data do casamento. Com a data anunciada começam as perguntas do tipo onde vão morar, onde será a festa, quantidade de convidados, entre outros. E depois do casamento, com certeza virão as cobranças sobre filhos e assim vai pela vida toda. Sempre tendo que dar satisfação às pessoas.

Então, nos preparativos do casamento não é diferente. As famílias e os amigos querem impor suas vontades como colocar nomes de pessoas na lista de convidados e etc. E isso gera estresses desnecessários.

Para evitar se chatear com coisas do tipo, deixe a organização do seu casamento bem privada. Evite contar detalhes para amigos, quanto menos gente dando palpites e pitacos, melhor.

É difícil a gente lidar com nossas próprias expectativas e frustrações, se tivermos que lidar com as dos outros, realmente não terá como ser feliz.

Sonho não tem Preço, Mas tem Boleto para Pagar

Definitivamente dinheiro não cai de árvore. A não ser que você seja muito rica mesmo, fazer uma festa de casamento é, sob a ótica financeira, desesperador.

Mas não se deixe cair na lábia de golpistas que usam a técnica de dizer que casamento é uma vez só e que sonho não tem preço.

Com isso, eles estão cobrando até dez vezes mais caro por um serviço, só porque se trata de um casamento.

Tenha pé no chão e não extrapole seu orçamento, pois não é com sonho que se faz uma festa e sim com dinheiro.

Brigas

Muitas noivas e noivos começam a perceber que com os preparativos do casamento as brigas e desentendimentos aumentam, isso causa grande sofrimento, pois fica aquela sensação de que “se estamos brigando agora, imagina depois de casados”. Mas os conflitos nesta época são naturais e praticamente impossível de não acontecerem.

Os preparativos para o casamento, da cerimônia e da decisão de onde morar são muito importantes e são decisões difíceis de tomar e que necessitam muita conversa, muita análise e talvez antes disso, os casais nunca tiveram passado por situações semelhantes. Pois são definições que envolvem muito dinheiro, envolvem sonhos e realidades.

Muitos casais nunca conversaram sobre finanças até o dia em que resolvem se casar. E isso é grande empecilho para que tudo possa transcorrer de uma forma mais fácil. Pois escolhas como onde morar, se vão comprar ou alugar uma casa ou apartamento, se vão mudar de cidade, entre outros fatores, não são decisões simples como as que envolvem casais de namorados que precisam apenas escolher o restaurante em que vão jantar ou destino da viagem de férias.

É uma nova fase e passar ilesos por este período é praticamente impossível. O importante é o casal ter em mente que são diálogos importantes e indispensáveis e que por um longo período as conversas que antes eram muito agradáveis vão se tornar realmente chatas pois são inevitáveis. Definir quem paga o que, limites de orçamento, planejamento financeiro, entre outros assuntos que antes não existiam na pauta do casal.

Mas o casal tem que compreender a necessidade dessas discussões e fazer o possível para que sejam resolvidas da melhor maneira, com compreensão, educação, respeito. Sabendo que uma hora um terá que abrir mão de algo, e no outro momento é hora do outro ceder.

Obviamente, as brigas podem ser classificadas entre saudáveis, dentro do esperado para um momento tão tenso e não saudáveis. Se as brigas realmente estiverem exageradas, com desavenças insolúveis; não sendo mais possível entrar em acordo, é hora de rever mesmo se devem se casar ou não. Mas se as discussões levam a um entendimento, é ótimo.

Mudança de Casa, de Vida e Incertezas

A tristeza, o medo e angústia nesta fase de preparação para o casamento é absolutamente normal e esperada. Estranho seria se os casais pensassem que está tudo ótimo e que tudo será maravilhoso.
Não temer o desconhecido é arriscado. A insegurança é uma arma, uma proteção natural, pois nos mantém vigilantes.

Sentir medo, ficar em dúvida se deve ou não casar, questionar-se se o noivo ou noiva é a pessoa certa para você; são questionamentos de uma pessoa que está dentro de um processo de ter consciência da responsabilidade que é o casamento. Sinal que não é uma pessoa inconsequente e aventureira.

O que temos que estar atentos é sobre as coisas que podem pesar ou agravar após o casamento. E o que tem nos deixado angustiados com a proximidade do casamento. Conhecer bem a pessoa que estamos casando é imprescindível, e talvez isso não esteja relacionado ao tempo de convivência e sim na qualidade da convivência.

Observe como essa pessoa trata seus familiares, como trata um subordinado, como é a relação dele com a família dele. Veja o que te desagrada nele, se isso é realmente algo inadmissível ou algo que dá para conviver. Procure observar a índole, a moral desta pessoa. Se vocês pensam parecidos sobre assuntos mais profundos, que demandam atitude ética, por exemplo. Incompatibilidade ética é algo bem sério.

Com o tempo de convivência, as manias, as coisinhas que irritam tendem a ficar maiores, e é sempre bom lembrar, que as chances de um adulto formado mudar de comportamento é muito difícil, não confie na máxima de que casando isso muda, pois pode não mudar.

Tome opinião a cerca do seu noivo com seus familiares mais próximos, veja o que eles falam sobre ele. Normalmente, nossos parentes, que nos conhecem há anos, e nos ama incondicionalmente, podem ter uma boa percepção de como é a nossa relação. Muita gente está envolvida em uma relação não saudável, de dominância, e não percebe. Pais, irmãos, tios, podem ter um olhar mais distanciado e mais preciso nestes casos, pois não estão envolvidos afetivamente.

A Festa Dura Seis Horas, o Casamento a Vida Toda

O grande problema de quem está se preparando para casar é que as pessoas pensam na cerimônia em si, na festa, no vestido, na lista de convidados. Alguns preocupam com os chás de lingerie, chá bar, despedida de solteiro, viagem de lua de mel, e montagem do apartamento.

Mas ninguém pensa que depois que as luzes se acenderem, que os convidados forem embora, depois que sairmos do banho, sem maquiagem, sem penteado, restará apenas o marido e a mulher, que agora não são mais noivos e sim, casados.

O importante na preparação do casamento é ter a certeza de que a partir daquela data festiva, a vida será a dois.

Conviver não é fácil. A gente vive em comunidade, mas ainda temos muito o que aprender sobre como viver em comunidade, como dividir o nosso espaço com os outros.

Quem mora com os pais muitas vezes querem casar para sair de casa, pois em alguns casos, a convivência é difícil. Mas se a convivência com os pais, que via de regra, amam os filhos já é difícil, imagina dividir o mesmo teto com alguém que não ama você incondicionalmente?

Quem já morou em república, no tempo da faculdade, vai concordar que dividir uma casa não é tarefa fácil. E quem mora sozinho, consegue imaginar a difícil situação de ter que compartilhar um banheiro.

O casamento não é bonito como as festas de casamento que vemos no Instagram. O casamento necessita de muita compreensão. Muita paciência, muito ceder. E é isso que as pessoas responsáveis têm consciência e se pertubam.

Sabendo dessa dificuldade, é que muita gente opta por casar, e é sabendo dessa dificuldade que muita gente sofre às vésperas do casamento. Pois realmente, depois do SIM, é uma nova vida.
Além de saber que é absolutamente normal este sentimento de confusão, de incerteza; precisamos definir se seremos mais felizes casando, mesmo o casamento ainda sendo algo desconhecido, ou se seremos mais felizes mantendo-nos solteiros.

Converse muito com seu noivo, muito! Sobre tudo! Explique este sentimento que está tendo e tentem entender o que ele significa. Resolvam-nos da melhor maneira e tenha certeza de que se seu noivo é uma pessoa de boa índole e se vocês se dão bem, não é preciso temer; o casamento nestes casos é sempre bom!


Pesquisar
Custom Search
Mulher Esperta em seu email

1 Comentário em “Vou Casar Mas Estou Triste

  1. Simone sampaio disse em 23/09/2016 às 00:32:

    Amei, amei o texto! Obrigada pelas dicas!!

Deixe sua opinião “Vou Casar Mas Estou Triste